América do Sul

Lima: 10 dicas do que fazer na encantadora capital peruana

O Peru é o destino perfeito para quem deseja fazer uma viagem internacional inesquecível e relativamente econômica. País de abundantes riquezas naturais, gastronômicas e, sobretudo, culturais – suas tradições foram constituídas pelas mãos dos indígenas de cada uma de suas várias civilizações e pelos conquistadores espanhóis chegados no século 16.

Com mais de 9 milhões de habitantes, Lima, a capital do país, não é o objetivo dos turistas que visitam o Peru. De acordo com um estudo realizado pela PROMPERÚ, o principal motivo dos turistas que vão ao país é conhecer Machu Picchu, mas a cidade possui muitas atrações que vão desde mercados populares – onde é possível degustar frutas e comer o delicioso ceviche – a museus interessantíssimos.

Entre os pontos altos do turismo, se destacam passeios pela cidade para conhecer o centro, passando por praças e prédios históricos, símbolos da arquitetura colonial espanhola da época de Francisco Pizarro, o famoso ‘Conquistador do Peru’.

Confira dicas do que visitar na cidade:

1 – Plaza Mayor (Plaza de Armas)

Reprodução
Plaza Mayor, o marco zero do município de Lima

Em Lima há poucos vestígios de civilizações indígenas. A cidade foi construída em 1533, quando Pizarro mandou matar o último imperador Inca para marcar o início de uma nova era e é justamente por isso que a arquitetura colonial espanhola está em todos os lugares, para simbolizar o poder de seus conquistadores. A Plaza Mayor é o marco zero e berço do município e hoje em dia é o principal espaço público da cidade. No local estão também o Palácio de Governo, atual residência do presidente do Peru, a Catedral de Lima (os restos mortais de Pizarro estão lá) e o Palácio Municipal, prefeitura da cidade. O lugar vale a visita tanto por seu contexto histórico, quanto pela beleza.

2 – Mercado Municipal de San Isidro

Tuka Pereira
Lugar gostoso para passear e experimentar frutinhas diferentes ou comer um bom ceviche

Uma visita a qualquer mercado municipal em qualquer cidade do mundo é uma grande aventura e o Mercado Municipal de San Isidro não é diferente. O lugar é bem pequeno e rapidamente é possível olhar tudo, mas os peruanos são um povo muito acolhedor e simpático e, se a conversa fluir bem, farão questão de te dar uma provinha de todas as frutas diferentes existentes por lá – que são muitas. Aproveite a oportunidade e se delicie! Uma vez que você esteja por lá, não deixe de comer um dos melhores ceviches de Lima que é servido ali mesmo, em um balcãozinho no mercado municipal, sem luxo. Se quiser peça a famosa Inca Cola para acompanhar! Se trata de um refrigerante amarelo limão intenso que só existe no Peru.

3 – Parque do Amor

Reprodução
Escultura El Beso (O Beijo), feita pelo artista peruano Victor Delfín, em destaque na Praça do Amor, em Lima

Localizado no bairro de Miraflores, sem sombra de dúvidas podemos dizer que este é um dos espaços mais românticos da cidade. Inspirado no mosaico multicolorido feito por Antoni Gaudí no Parque Güell em Barcelona, o parque localizado no alto da colina possui uma das vistas mais deslumbrantes de toda cidade: a Baía de Lima, as montanhas de Chorillos e o Oceano Pacífico. Frases românticas decoram os mosaicos coloridos e, na área central do parque, fica uma escultura chamada de El Beso (O Beijo), feita pelo artista peruano Victor Delfín. No Dia dos Namorados, bandas locais fazem concertos grátis no parque e casais participam de uma competição de beijo mais longo.

4 – Barranco

Tuka Pereira
Barranco vem cada vez mais se transformando em uma colorida e animada galeria a céu aberto

Um bairro boêmio, ‘pendurado’ sobre o Oceano Pacífico, construído no século 19 como um destino de praia para a aristocracia de Lima. As ruas são repletas de palmeiras e mansões de estilo colonial em tons pastel, muitas das quais agora abrigam lojas, galerias e restaurantes.

No bairro existe a famosa ‘Ponte dos Suspiros’ que foi construída em 1876, com objetivo de juntar as extremidades do desfiladeiro. Embora atualmente não haja água debaixo da ponte, ela ainda é um lugar favorito para casais que visitam a área e inspiração para artistas, compositores e escritores. A ponte inspirou uma canção famosa do compositor Chabuca Granda, intitulada “El puente de los Suspiros”. Reza a lenda que se a pessoa atravessar a ponte sem respirar todos os seus desejos serão realizados.

Barranco é o lar de muitos artistas, fotógrafos e músicos de Lima, mas nenhuma outra arte chama tanta atenção por lá quanto a urbana. Ultimamente, as ruas de Barranco se tornaram uma espécie de tela e os muros coloridos do bairro vêm transformando-o em uma colorida e animada galeria a céu aberto. É tudo tão lindo que você vai querer tirar foto na frente de cada mural que ver pela frente.

5 – Museu Larco

Eis um museu diferente de tudo o que você já viu. Primeiro porque o lugar nem parece um museu. É uma mansão colonial do século XVIII que foi construída sobre as ruínas de uma pirâmide pré-colombiana do século VII. Já na entrada uma rampa acompanha um caminho de flores leva até a entrada do museu que fica no alto. Fundado em 1926 por Rafael Larco Hoyle, o Museu Larco contém uma das melhores coleções históricas do Peru dedicadas aos povos pré-colombianos do país.

Tuka Pereira
Algumas da representações eróticas do mundo antigo que fazem parte do acervo do museu

Organizado cronologicamente, seus artefatos representam uma variedade de antigas culturas indígenas, abrangendo três milênios. A exposição permanente contém milhares de objetos inestimáveis, incluindo ouro e joias, esculturas de cerâmica, metais, estatuária, tecidos e uma exposição de representações eróticas do mundo antigo. O grande Salão das Culturas fornece uma visão abrangente da arte peruana que data de 7000 aC até a conquista espanhola. O salão é composto por quatro seções, representando as quatro regiões culturais do Peru: a costa norte, o centro, o sul e as terras altas.

Tuka Pereira
As belas flores da parte espalhadas na área externa do Larco também fazem parte da atração e rendem muitas fotos

O Larco é um dos raros museus que permite a seus visitantes o acesso ao local de armazenamento de suas obras não expostas que abriga mais de 45 mil artefatos. Os objetos no almoxarifado são organizados por tema e cronologia. Além de tudo, o restaurante do museu também é maravilhoso!

6 – Miraflores

Miraflores é sem dúvida o bairro mais popular entre turistas, que podem pagar para se hospedar, fazer compras, fazer uma boa refeição, tomar um café, ir a um de seus muitos bares e baladas, saborear a vida cultural e aproveitar o tempo.

Reprodução
O animado Malecón localizado no bairro de Miraflores

O bairro combina influências tradicionais e da moda, casas antigas coexistem com modernos edifícios de vários andares, hotéis, cassinos, shoppings e bancos. É uma mistura do clássico e histórico, com influências modernas e globais, que dão a Miraflores um charme e um toque especial. O bairro oferece vistas inigualáveis do Oceano Pacífico e um dos lugares mais incríveis para isso é, sem dúvida, o Malecón.

Malecón é como é chamado o calçadão da cidade, um lugar onde todas as pessoas vão para aproveitar os momentos de lazer. Lima fica em uma falésia e o Malecón é justamente o calçadão localizado no alto como um ‘camarote’ com visão privilegiada para o mais bonito pôr do sol da cidade.

Lá estão corredores, skatistas, ciclistas, quadras esportivas, brinquedos infantis, bancos para quem quer se sentar e apenas ler um bom livro, namorar ou observar o pacífico. Ali também acontecem diversas atividades como saltos de parapente e o hippie sunday. Em dias ensolarados o lugar é um dos mais agitados de Lima.

7 – Parque Kennedy

Com o nome do presidente dos EUA, John F. Kennedy, o Parque Kennedy (Kennedy Park) é um parque público bem cuidado no coração de Miraflores. Embora possa ter os equipamentos típicos de um parque – bancos espalhados, grama bem cuidada, vendedores de comida de rua, ambulantes e visitantes de todas as idades – alguns de seus clientes regulares são mais peludos do que outros.

Tuka Pereira
O Parque Kennedy ganhou o apelido de “Parque dos Gatos” por conta de seus ilustre moradores felinos

Mais de 100 gatos vagueiam pelos jardins do Parque Kennedy, que por sua vez ganhou o apelido de “Parque dos Gatos”. Os felinos já estão no parque há cerca de 20 anos e geralmente são amigáveis e não têm medo de se aproximar das pessoas. O grupo sem fins lucrativos Kennedy Park Kittens alimenta os gatos, fornece vacinas e arrecada fundos cuidar dos bichinhos.

Embora seja aconselhável acaricia-los com cautela, esta é uma atração geralmente muito divertida para os visitantes. É bastante comum ver pessoas fazendo carinho nos gatinhos e fotografando os bichanos que parecem até fazer pose para os cliques.

8 – Circuito Mágico Del Agua

Tuka Pereira
A série de 13 fontes iluminadas atrai visitantes de todo país

O Circuito Mágico da Água de Lima foi inaugurado em 2007, após um pesado investimento de US $ 13 milhões. Construído dentro do Parque de la Reserva, um parque histórico da cidade, a série de 13 fontes iluminadas provou ser uma adição bem-sucedida às muitas atrações de Lima.

Passear pelo circuito de águas dançantes pode não ser a ideia de uma noite divertida para todos, mas você pode se surpreender com a visita ao parque. É realmente fácil se distrair ao percorrer o local e voltar a ser criança andando em meio aos túneis de iluminados.

Tuka Pereira
Adultos também se divertem bastante no local

A receita das entradas do complexo de fontes ajudou a angariar fundos para a renovação do histórico Teatro Municipal de Lima que foi reaberto em outubro de 2010. Quanto à reação do público ao Circuito Mágico, logo ficou evidente que o parque foi um sucesso; menos de oito meses após sua inauguração, o local já havia recebido dois milhões de visitantes.

Após sua construção, o Circuito Mágico da Água entrou para o Guinness Book como o maior complexo de fontes de água do mundo em um parque público. Há também um lado educativo do complexo com instalações informativas cobrindo questões relacionadas à água e outras exibições temporárias.

9 – Museu Mario Testino – MATE

Tuka Pereira
A princesa Diana possui uma exposição permanente no museu

O fotógrafo peruano Mario Testino é famoso por seu trabalho na moda e pelos nomes aclamados que clica. No entanto, um de seus projetos mais empolgantes, fica em sua cidade natal, Lima, e se chama MATE.

O Museu Mario Testino é instalado em um edifício colonial remodelado no bairro de Barranco. No local o visitante passará por várias salas pequenas com suas fotos de celebridades e supermodelos. Depois há um prédio separado que abriga a fotografia peruana exibindo vestimentas tradicionais de culturas indígenas do país.

No museu também existe uma sala retangular dedicada a artistas convidados. Talvez o maior impacto do local seja justamente isso – oferecer a artistas peruanos promissores uma chance de ter seu trabalho exibido ao lado de Testino.

Diana Room é uma exposição permanente no Museu Mario Testino, é um santuário para a falecida Princesa Diana. As fotos – tiradas para a revista Vanity Fair – foram os últimos retratos oficiais tirados de Diana antes de sua morte. Ela morreu no mesmo ano, dois meses depois que as imagens foram publicadas.

10 – Huaca Pucllana

Huaca Pucllana fica bem no meio do bairro de Miraflores e foi construído pelo povo Lima, uma civilização pré-inca que habitava a região no século V. Acredita-se que o lugar era usado como uma espécie de santuário para a realização de sacrifícios humanos, mais especificamente o de mulheres. O objetivo seria o de ‘acalmar as deusas’ que eram consideradas violentas.

Reprodução
Acredita-se que o local era usado como um santuário para a realização de sacrifícios humanos

A região da pirâmide que possui 23 metros de altura e é onde eram realizados os rituais. Huaca Pucllana também era utilizado para assuntos administrativos e esta parte era tratada no espaço das praças.

Todo local possui 150 mil m² é totalmente feito em adobe (tijolos de barro) e permanece intacto até os dias de hoje por conta dos baixos índices de chuva da região. O curioso é que, naquela época os Limas tinham o conhecimento que se deixassem um espaço entre um tijolo e outro os abalos sísmicos não destruiriam suas construções e é por isso que tudo segue em pé mesmo com tantos terremotos ocorridos por lá.

Huaca Pucllana quase chegou a ser destruído. Durante a urbanização de Miraflores ocorrida entre 1930 e 1960. Antes de descobrirem as ruínas, a área acima do sítio arqueológico foi transformada em uma pista de motocross. O lugar começou a ser restaurado apenas em 1981 e continuará por mais algumas décadas.

A jornalista Tuka Pereira, do blog Pra Onde Vai Agora, viajou a convite da PROMPERÚ.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *