Europa

Alesund, na Noruega, a beleza art nouveau da capital mundial do bacalhau

A Noruega é um país verdadeiramente apaixonante e, são tantos os seus encantos, que Oslo, sua capital, possui apenas uma parcela das atrações. O melhor do turismo no país fica mesmo por conta da natureza deslumbrante que inclui desde fiordes, montanhas, quedas d’água e fenômenos naturais como a aurora boreal.

Considerado o melhor país para se viver graças aos altos índices de qualidade de vida da população, de acordo com dados oficiais do Índice de Desenvolvimento Humano, não é de se estranhar que, em meio a cenários paradisíacos o resultado seja exatamente este, ano após ano.

Reprodução
Vista Panorâmica da cidade de Alesund

Belezas abundantes estão espalhadas por todo território norueguês, mas, uma pitoresca cidade merecesse destaque: Alesund, uma cidade portuária com pouco mais de 40 mil habitantes localizada na região do Western Fjords a aproximadamente 560 km da capital Oslo.

Das cinzas ao art nouveau

Quem chega a Ålesund pela primeira vez e se depara com a cidade chamada de “a mais bonita da Noruega’, não imagina que há mais de 100 anos um incêndio avassalador a destruiu completamente e tudo precisou ser reconstruído.

Reprodução
As belas construções em art nouveau da cidade norueguesa

Durante as primeiras horas do dia 23 de janeiro de 1904, o fogo tomou conta da cidade por 16 horas, desabrigando 10 mil pessoas e queimando cerca de 850 casas. Depois da tragédia, Ålesund foi rapidamente reconstruída entre 1904 e 1907 em um estilo que era a grande novidade na época: o art nouveau.

Hoje em dia, sua arquitetura vibrante, destoa do resto do país de casinhas de madeira vermelhas e brancas, e atrai muitos turistas. A cidade é construída em uma fileira de ilhas que se estendem para o oceano e o conjunto de prédios no estilo arquitetônico ocupa o centro da cidade numa mistura de cores impressionantes.

Reprodução
Centro de Art Noveau (Jugendstilsentere), o lugar conta sobre a arquitetura de Alesund

Atualmente, os edifícios históricos abrigam cafeterias, restaurantes, lojas e galerias e são decorados com pequenos detalhes que os tornam tão bonitos. Ålesund é conhecida tanto a nível nacional como internacional por sua arquitetura e a cidade é membro da “Rede Art Nouveau Rasoau”, uma rede europeia de cidades Art Nouveau, entre outras como Glasgow, Barcelona e Viena.

Para saber mais sobre a história da cidade, visite o Centro de Art Noveau (Jugendstilsentere), o lugar conta sobre a arquitetura de Alesund através de uma mostra multimídia, com fotos do antes e depois do acidente, relatos e vídeos de moradores. O passeio vale a pena.

Reprodução
Pausa para foto nos degraus do mirante de Aksla

Um belo ponto de apreciação de toda cidade é o mirante de Aksla. São 418 degraus para ver do alto todas as belezas que ficam embaixo. Deixe a preguiça de lado e suba, vale muito a pena e você vai se sentir como Gulliver no reino de Lilliput (procure para assistir, é de muito antes de eu nascer e de vocês mais ainda, mas é um clássico!) vendo tudo pequenino ao longe.Uma vez na Noruega, o país te conquista com a vista esplêndida que existe em todos os lugares para onde se olha. Tem paisagem linda para os mais variados gostos e do alto de Aksla a visão é sublime. O inusitado também tem lugar por ali. No alto do morro, pertinho do mirante, existe um bunker usado pelos alemães durante a II Guerra Mundial, quando a Noruega foi invadida pelos nazistas. O local é aberto para visitação.

A capital mundial do bacalhau

Tuka Pereira
Uma das fábricas de bacalhau da cidade

Experimentar o bacalhau norueguês, o principal peixe do país e a base de sua economia, também é algo imperdível para quem visita a Noruega, especialmente Alesund. Não há como sair da cidade sem tomar ao menos uma sopa de bacalhau. O prato é tão tradicional para os noruegueses como a feijoada para os brasileiros e é simplesmente delicioso.

Peder Otto Dybvik
A deliciosa e imperdível sopa de bacalhau

Alesund é a capital mundial do bacalhau. Da cidade sai 90% de todo bacalhau do mundo e não é à toa, portanto, que lá está um dos maiores e mais importantes portos de pesca da Noruega.Na cidade, além de ser possível ver a cabeça do peixe, nem que seja nadando no aquário (spoiler: a cabeça é cortada já no barco no momento da pesca) aprende-se que ‘bacalhau’ é o nome que se dá a uma família de peixes chamada gadidae após um processo de salga e secagem de cerca de seis semanas.

Tuka Pereira
É de Alesund 90% de todo bacalhau do mundo

O legítimo bacalhau norueguês é o gadus morhua e outros três peixes pescados no país e que são consumidos como “tipo bacalhau” são ling, saithe e zarbo, muito exportados para o Brasil.
Na cidade estão as maiores fábricas de bacalhau do país como a Nills Sperre e a Gytastranda Fiskeindustri.

Visita ao aquário e aula de culináriaA indústria pesqueira também influencia no turismo da cidade e o Atlanterhavsparken, o maior aquário do norte europeu, vive lotado de pessoas para comprovar. Os corredores, imensos vidros que exibem a fauna marinha do país escandinavo, parecem gigantescas telas de cinema em alta definição.

Reprodução
As imensas ‘telas’ do Atlanterhavsparken

Adultos e crianças encantados passeiam pelo espaço. Detalhe: é ali um dos poucos lugares na Noruega – e no mundo – onde é possível encontrar o bacalhau com cabeça. Mas, embora o peixe tenha uma grande importância econômica para o país, no Atlanterhavsparken ele divide os holofotes com centenas de outras espécies marítimas.

Reprodução
A área externa do aquário

O local também conta com uma piscina aberta para a observação dos animais, permitindo contato com os peixes, estrelas do mar, ouriços marinhos, etc.

O diferente do lugar fica por conta de uma aula de culinária na Klippfiskakademiet (Academia do Bacalhau), um complexo anexo ao aquário que possui uma cozinha equipadíssima. No menu, como não poderia deixar de ser: peixe e frutos do mar.

Durante cerca de três horas, o talentoso chef Mindor Klauset ensina até mesmo os mais inaptos cozinheiros a fazerem pratos típicos e o resultado é surpreendente. Eu, que mal frito um ovo, consegui terminar a noite sabendo como preparar algumas coisinhas e ainda me diverti ao lado de outros jornalistas pouco habilidosos (embora achassem o contrário) que também participaram da aula.

Reprodução
O chef Mindor Klauset na Klippfiskakademie dá aulas para aprender e saborear

Tudo o que é preparado é comido e por isso vale caprichar. Para dar um empurrãozinho, o chef Mindor separa a classe em dois grupos e cria uma acirrada competição. Daí em diante é só contar com a gana dos mais competitivos e deixar que tomem a frente. O site da Klippfiskakademiet está apenas em norueguês, mas aceita workshops para grupos. Basta enviar e-mail (em inglês para mindor@klippfiskakademiet.no para saber maiores detalhes.

Onde ficar:

Hotel Sandic Parken

A jornalista Tuka Pereira do Blog Pra Onde Vai Agora? viajou a Noruega a convite do Innovation Norway, do Conselho Norueguês da Pesca e do Consulado Geral da Noruega.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *